O presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Ricardo Izar (PTB-SP) informou há pouco que vai encaminhar hoje ao Supremo Tribunal Federal um ofício questionando a interpretação do presidente do STF, Nelson Jobim, de que houve empate no julgamento de ontem, do recurso do deputado José Dirceu. Para Izar, seis ministros foram favoráveis ao Conselho de Ética e a votação no plenário da Câmara. Jobim interpretou que o voto do ministro Antonio Cesar Peluso foi favorável a Dirceu. Peluso, segundo Izar, recomendou que fosse retirado um trecho do relatório, mas não que fossem ouvidas novamente as testemunhas de defesa, como defenderam os outros quatro ministros.

Izar disse que se a decisão do Supremo for favorável a José Dirceu, o conselho ouvirá as testemunhas de defesa "em um ou dois dias" e que o processo de Dirceu será encerrado em no máximo duas semanas. "Alguns ministros do Supremo mostraram que não conhecem o Conselho de Ética. Este não é um tribunal de justiça. É um tribunal parlamentar. Ficamos chocados com os resultados de ontem, mas o parecer do relator Ayres Britto foi brilhante", disse Izar. O relator rejeitou os argumentos de José Dirceu e manteve o parecer do Conselho de Ética pela cassação do mandato, mas foi vencido no plenário.