Autoridades agrícolas do Japão identificaram neste sábado uma cepa do vírus da gripe aviária, que provocou a morte de centenas de frangos em uma fazenda de criação de aves no sul do país, como pertencente a ampla família H5, segundo informou a agência Kyodo. Contudo, não está claro se o vírus encontrado é da mortal variedade H5N1, que já matou 157 pessoas em todo o mundo desde 2003, segundo dados da Organização Mundial de Saúde.

Pelo menos 2.400 frangos morreram desde quarta-feira numa fazenda na cidade de Kiyitake, na província de Miyazaki, e as autoridades locais estão conduzindo os testes de gripe aviária. Autoridades de Miyazaki e do Ministério da Agricultura do Japão disseram que o informe não pode ser confirmado imediatamente. Há um caso confirmado de humano contaminado pelo vírus H5N1 no Japão, mas nenhuma morte de ser humano foi reportada até hoje. Miyazaki, localizada a cerca de 900 km a sudoeste da capital Tóquio, é a maior região produtora de aves do país.

Na sexta-feira, o governo estabeleceu uma força tarefa e ordenou que 20 avícolas dentro de um raio de 10 km a partir da fazenda afetada suspendessem o trânsito de ovos e francos por enquanto. O Ministério da Agricultura também ordenou uma inspeção nacional nas avícolas para detectar qualquer sinal de aves doentes e funcionários do serviço ambiental iniciaram uma varredura para investigar a possibilidade do vírus da gripe aviária ter sido trazida por aves migratórias de outras partes da Ásia.

Na Indonésia, mais duas mulheres morreram de gripe aviária, elevando o total para quatro casos nesta semana, segundo informações das autoridades locais. Uma das duas vítimas é uma mulher de 22 anos, que morreu esta manhã, enquanto a outra, também uma mulher, faleceu na noite de sexta-feira, disse o diretor de comunicações do controle de doenças do Ministério da Saúde da Indonésia. Ambas foram tratadas no mesmo hospital na capital Jacarta.

A mulher de 22 anos veio da vila industrial de Tangerang, perto de Jacarta, mesmo local de origem de uma mulher de 37 anos e um rapaz adolescente que morreram no início da semana. Esses casos reforçam a ameaça representada pelo vírus na Indonésia, que tem sido criticada pela lenta reação ao H5N1, que apareceu no país em 2004, nos estoques de aves e entre os frangos criados nos quintais das residências. O número de indonésios mortos pelo H5N1 soma 61, mais de um terço do total de vítimas em todo o mundo.