O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, comunicou hoje (25) ao relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), que encaminhará até a próxima quarta-feira (27) a documentação apreendida na agência do Banco Rural de Belo Horizonte. Nestes documentos, segundo ele, estão relacionados os nomes de parlamentares que receberam dinheiro das contas do empresário Marcos Valério de Souza.

O relator qualificou a documentação como "pólvora". A Polícia Federal requereu ao STF todo o material para efetuar uma perícia técnica. Antes, porém, Serraglio disse que Nelson Jobim garantiu que enviará uma cópia dos documentos para a análise da CPMI. Osmar Serraglio ressaltou que, se comprovada a autenticidade do material, estará caracterizada a existência do pagamento de mesada a parlamentares.

"Passando pela perícia da Polícia Federal é prova material. Não precisa de muita conversa", disse o relator sobre a possibilidade dos documentos que serão enviados pelo Supremo caracterizarem a existência do mensalão. Quanto à possibilidade de prisão preventiva do empresário Marcos Valério, o relator disse que a decisão cabe a Polícia Federal e ao Ministério Público, não à CPMI. No entanto, a destruição de documentos de suas empresas já caracteriza obstrução dos trabalhos da Justiça, o que, para Serraglio, justificaria a prisão de Valério.