O meia-armador Tinga, do Internacional desmentiu o goleiro Fábio Costa, do Corinthians, e assegurou que nunca disse ao juiz Márcio Rezende de Freitas que não foi derrubado pelo adversário no polêmico pênalti não marcado no empate por 1 a 1 entre os dois times, no domingo, no Pacaembu. Informado de entrevistas que o goleiro corintiano deu relatando ter ouvido Tinga dizendo ao árbitro "não foi pênalti, mas não dá cartão", o jogador colorado não acreditou. "Se ele disse isso mesmo, está faltando com a verdade", afirmou.

Segundo Tinga, a frase dita ao árbitro foi "se não deu o pênalti, pelo amor de Deus, não me expulsa" e pode ter sido mal interpretada por Fábio Costa. A reação do jogador colorado, ao implorar para não ser expulso tem uma explicação. Tinga já havia recebido um cartão amarelo no jogo e sabia que deixaria o time com dez jogadores se levasse a segunda advertência, o que acabou ocorrendo. Como o primeiro cartão amarelo que levou no domingo era o terceiro de uma série, o jogador está fora da próxima partida. Tanto que o Internacional nem fala em pedir uma liminar para que ele enfrente o Palmeiras enquanto não é julgado pela expulsão.

Tinga lamentou que o jogo de domingo, que considerou "belo" tenha virado motivo de polêmica por um erro de arbitragem. Mas, ao contrário da maioria dos colorados, que não pode nem ouvir falar de Márcio Rezende de Freitas, aceitou as desculpas do juiz. "Somos seres humanos e estamos sujeitos a errar todo o momento no futebol", justificou. Apesar de avesso a polêmicas, é a segunda vez neste campeonato que o meia colorado vê seu nome como o centro de acaloradas discussões. No jogo contra o Juventude ele foi vítima de manifestações racistas de alguns torcedores, que imitaram macacos a cada vez que ele tocava na bola. Em vez de declarações incendiárias, preferiu lamentar o episódio que envergonhava o futebol e deu o assunto por encerrado.

Abatimento

Os jogadores do Internacional voltaram aos treinos nesta terça-feira tentando superar o abatimento pelo resultado de domingo, mas ainda confiantes num tropeço do Corinthians, que é líder do campeonato brasileiro com três pontos de vantagem sobre o time gaúcho.

Na partida contra o Palmeiras, domingo, no Beira-Rio, o técnico Muricy Ramalho não terá Tinga e Ricardinho, suspensos, ficando obrigado a reformular o meio-campo. Os prováveis substitutos são Wellington e Márcio Mossoró.

Apesar de tentar concentrar atenções no trabalho de campo, Muricy não escondeu a irritação ao saber que a Ponte Preta estuda a possibilidade de poupar alguns jogadores que estão com dois cartões amarelos ou muito cansados contra o Corinthians, no final de semana, para concentrar forças na partida da última rodada, contra o Brasiliense. "Não dá para imaginar que isso é verdade", comentou. "O campeonato ficaria completamente manchado e sem credibilidade".

O treinador colorado disse preferir acreditar que a anulação de 11 jogos, os erros de arbitragem a favor do Corinthians e uma eventual preservação dos titulares da Ponte Preta são apenas coincidências. "Se eu for pensar outras coisas teria que sair do futebol", comentou, sem acusar ninguém e sem esconder uma ponta de amargura com as desventuras recentes do Internacional.