O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, afirmou hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não desrespeita a lei eleitoral ao pedir votos para a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT). “O presidente está absolutamente dentro da legalidade. Todos os governadores e governadoras fazem campanha eleitoral, inauguram obras e pedem votos. Não há restrição legal”, disse Dirceu.

O ministro fez referência à participação de Lula na inauguração do prolongamento da Avenida Radial Leste, obra da prefeitura com recursos da União, no sábado. Lula também autorizou que trechos do discurso que fez na inauguração fossem usados no horário do programa eleitoral do PT de São Paulo.

Se Dirceu saiu em defesa de Lula, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, assumiu posição oposta. Ele disse hoje que o Ministério Público deveria tomar providências a respeito da participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na inauguração do prolongamento da Radial Leste, ocorrida no final de semana em São Paulo, e das suspeitas de um acordo financeiro entre PT e PTB.

“Cabe ao Ministério Público representar no caso de ilícitos eleitorais e a OAB vê com preocupação o clamor público causado não só pelas notícias da participação do presidente Lula na inauguração como também na anunciada negociata (entre PTB e PT)”, afirmou Busato. “O MP deve promover em ambos os casos investigação”, disse.

O presidente da OAB ressaltou que o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, teve uma conduta elogiável em Curitiba no mesmo final de semana em que Lula fez campanha para a prefeita Marta Suplicy. José Dirceu fez questão de frisar que estava ali na condição de ente político, partidário do PT e não de ministro. Para Busato, Lula cometeu uma irregularidade ao supostamente aproveitar de sua condição de presidente da República e das verbas públicas que garantiram a obra na Radial Leste para ajudar a campanha de Marta.