Ao tentar cometer um assalto na região do Água Verde, Alexandre Andrade dos Santos, 17 anos, foi surpreendido e baleado por um policial à paisana na noite de ontem. O adolescente, que já havia sido preso pelo mesmo delito, caiu morto ontem na Avenida Água Verde. Os dois comparsas do rapaz, conseguiram fugir.

A última tentativa de assalto do jovem aconteceu por volta das 20h50, quando o comerciante Carlos Roberto Torrecilha estacionou o carro e atravessou a rua para falar com uma amiga, que estava dentro de um outro veículo. Ao aproximar-se da mulher, três rapazes de bicicleta o abordaram e deram voz de assalto. De acordo com o relato do comerciante, ele levantou as mãos para cima e Alexandre, de arma em punho, pediu a carteira e o celular dele. Naquele momento Carlos disse que não tinha dinheiro, e então o adolescente colocou a mão no bolso da vítima para pegar o celular. “Eu disse que o celular era do meu trabalho e nisso ele disse que não estava de brincadeira”, contou.

Para provara para Carlos que a arma era de verdade, o adolescente deu um tiro no chão e apontou a arma para o estômago da vítima, atirando duas vezes. Por sorte, os tiros não saíram e então ele apontou arma para cima e disparou com sucesso um quarto tiro.

Enquanto o assalto acontecia, um policial a paisana da P2 (serviço reservado da Polícia Militar) presenciou a ação dos marginais e ficou atras de um poste, esperando que a situação acalmasse. Ao ver que o adolescente estava atirando o policial aproximou-se e o baleou. Alexandre caiu morto em frente ao número 433 da avenida. “Por sorte o garoto não me acertou. Se não fosse o policial eu poderia estar no lugar dele agora.”

Vários comerciantes que avistaram Alexandre estendido no chão, entre eles o proprietário de uma farmácia e um taxista, reconheceram o menor como autor de vários assaltos na região. Junto com o adolescente, que morava na favela do Parolin, a polícia apreendeu uma bicicleta e um revolver calibre 38. Os outros dois assaltantes que o acompanhavam conseguiram escapar quando viram o policial.