Brasília – Apesar de a idéia ser combatida pela igreja, 96% dos jovens católicos brasileiros são favoráveis ao uso de camisinha para evitar gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. Esta e outras constatações estão em uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) sobre o pensamento da juventude católica em relação a sexualidade e reprodução, feita a pedido da organização não-governamental feminista Católicas pelo Direito de Decidir.

A pesquisa foi realizada entre novembro de 2006 e janeiro de 2007 e ouviu 1.268 jovens católicos em 315 municípios brasileiros. Os pesquisadores constataram que 88% dos entrevistados acreditam que uma pessoa pode usar métodos anticoncepcionais e continuar sendo boa católica, outra prática não aprovada pela igreja católica. Também foi verificado que 81% concordam que jovens com menos de 18 anos tenha o direito de ter acesso à camisinha e outros métodos anticoncepcionais sem a autorização dos pais.

O tema da abstinência sexual antes do casamento também foi abordado. A pesquisa detectou que 79% dos jovens não concordam com a determinação da igreja que só se pode fazer sexo depois do casamento. O aborto, outro tema polêmico, também foi objeto de perguntas. Pelo resultado, 62% dos jovens católicos entrevistados não concordam com a prisão de uma mulher que recorra ao aborto.

Para a representante da ONG que encomendou a pesquisa, Dulce Xavier, o resultado é reflexo do distanciamento da hierarquia da igreja da realidade cotidiana dos jovens brasileiros. Para ele, o principal benefício da pesquisa será informar a população que a fala da hierarquia católica não corresponde mais ao que pensa a base da igreja. ?Vai auxiliar até mesmo o trabalho dos parlamentares que votam leis relativas a planejamento familiar, direito sexual, direito reprodutivo?, avalia Xavier.

Ela conta que a pesquisa foi motivada pela percepção de que a população católica não obedece mais às normas da igreja. ?Quisemos fazer essa pesquisa especificamente com os jovens para ter uma idéia mais clara de como eles encaram essas normas que a igreja católica coloca sobre os direitos sexuais e reprodutivos. Nossa constatação é que os jovens têm posição bastante liberal nesse campo e não seguem o que a igreja coloca como normas nesses casos?, explica.

Apesar dos resultados que demonstram uma despreocupação dos jovens católicos com o que prega a igreja católica, 62% deles acham que, ao condenar o uso da camisinha ou outros métodos anticoncepcionais e sexo antes do casamento, a igreja não assume uma posição atrasada. Para Xavier, isso demonstra o respeito que a população tem pela igreja, por sua importância da sociedade como instituição social. ?Mesmo que não concordem, as pessoas mantêm o respeito pela instituição, que tem uma autoridade moral que não permite críticas muito severas?.

Os resultados da pesquisa preocuparam a cúpula da Igreja Católica. De acordo com o arcebispo de Palmas (TO) e integrante da Comissão de Evangelização da Juventude da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, Dom Alberto Taveira Corrêa, os números representam um desafio novo para a igreja católica brasileira. ?Se nós chegamos à conclusão de que um numero tão grande de jovens diz que é de acordo com coisas que não correspondem à orientação moral da igreja, maior é o nosso desafio, mais nós temos que assumir essa responsabilidade de evangelização, de chegar com a nossa palavra e com o anúncio do Evangelho aos jovens?, avaliou.