São Paulo – Apesar de o Banco Central (BC) ter reduzido o juro básico da economia em 0,75 ponto porcentual para 17,25% ao ano, em 18 de janeiro, os bancos mantêm praticamente inalteradas suas taxas. De acordo com levantamento da Fundação Procon-SP, a taxa média de dez instituições financeiras pesquisadas foi de 5,41% ao mês em fevereiro, uma queda de apenas 0,01 ponto porcentual (pp) ante janeiro. A taxa média do cheque especial também caiu para 8,28% ao mês, decréscimo de apenas 0,03 pp em relação a janeiro.

O banco que registrou a maior taxa de empréstimo pessoal em fevereiro foi o Itaú, com 5,95% ao mês, e a menor taxa de juros foi a da Nossa Caixa, de 4,25% ao mês. No cheque especial, as duas instituições que apresentaram as maiores taxas foram o Itaú e o Santander, com 8,50% ao mês, e a menor taxa foi a da Caixa Econômica Federal, de 7,95% ao mês.

O HSBC e o Banco do Brasil foram os dois responsáveis pela queda da taxa média de juros. O HSBC alterou a taxa de 4,97% para 4 91% ao mês. Já o Banco do Brasil diminuiu sua taxa de 4,85% para 4,80%. O HSBC diminuiu também sua taxa do cheque especial, de 8 47% para 8,37% ao mês. O mesmo ocorreu com o Banco do Brasil, que alterou sua taxa de 8,03% para 7,99% ao mês. O Banespa também diminui sua taxa, que foi de 8,50% para 8,40% ao mês.

De acordo com os técnicos do Procon, a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de diminuir a taxa básica de juros em 0,75 ponto porcentual, de 18% para 17,25% ao ano, não afetou a maioria das taxas das instituições, tanto no empréstimo pessoal quanto no cheque especial.

A fundação analisou que o orçamento do consumidor continua sofrendo reflexos dos gastos do final do ano e dos compromissos e impostos que vêm se apresentando desde o início do ano. Com as taxas de juros muito elevadas, "é aconselhável que o consumidor evite qualquer modalidade de crédito e procure outras formas de saldar suas contas", recomendou a fundação.

As instituições pesquisadas pela Fundação Procon-SP em dezembro de 2005 foram o HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real e Unibanco.