Brasília, 02 (AE) – Os empresários Jaisler Jabour de Alvarenga e Lourenço Rommel Peixoto – acusados de participação no desvio de hemoderivados no Ministério da Saúde e que estão em prisão temporária – vão continuar presos, porque o juiz da 10ª Vara, Cloves Siqueira, decretou ontem à noite a prisão preventiva dos dois. A informação sobre a decretação da preventiva foi divulgada pelo advogado de Jabour, Felipe Amodeu, e reafirmada por advogados de Rommel Peixoto que o estavam visitando, ontem à noite, na Superintendência da Polícia Federal.

Os advogados informaram também que o juiz Siqueira decretou a prisão preventiva de um terceiro acusado de envolvimento nas fraudes na Saúde, cujo nome está sendo mantido em sigilo pela Justiça. Em caso de prisão temporária, o acusado permanece detido por cinco dias, prorrogáveis por mais cinco. Quando se trata de prisão preventiva, a detenção é por tempo indeterminado.