O laboratório Cifarma Científica Farmacêutica Ltda, de Belo Horizonte (MG), foi proibido hoje (24) de usar a marca Neuralgina, em um analgésico de sua fabricação, sob pena de multa diária de R$30 mil, por concorrência desleal e violação do direito de propriedade. A decisão é do Tribunal de Justiça que acolheu por unanimidade recurso da Altana Pharma AG e Altana Pharma Ltda, fabricantes do analgésico Neosaldina.

A Altana alegou que o concorrente estava copiando sua marca, usando o nome assemelhado, para confundir o consumidor. A Neosaldina é o segundo analgésico mais vendido no País, seguido pelo Tilenol, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

A Altana, integrante do grupo alemão Altana, atua no Brasil, Argentina e Mercosul e em 2004 teve um faturamento na região de R$ 5,19 bilhões. Adquiriu a marca Neosaldina em 2003, mediante contrato de R$ 96,67 milhões firmado com a Abbott Gmbn e Co.Kg, subsidiária da Abbott Laboratories.