O presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, disse hoje, em discurso na abertura do ano judiciário, que a Justiça tem que se preocupar mais com os interesses da população. Ele afirmou que o Judiciário acaba sendo um "arquipélago de ilhas de pouca comunicação".

"Precisamos caminhar mais, para o fim do gerenciamento de rotina", disse Jobim, ao manifestar a sua preocupação de viabilizar uma Justiça que atenda às questões de massa. Depois da solenidade, Jobim anunciou que amanhã ele, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Edson Vidigal, e o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Wantuil Abdala, vão discutir a formação do Conselho Nacional de Magistratura, criado na reforma do Judiciário.

Para Jobim a reforma do Judiciário foi importante e que ela não foi feita para juízes e advogados, mas sim para melhorar a Justiça para o povo.