O presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Compra de Votos, senador Amir Lando (PMDB-RO), disse que ainda não recebeu os documentos solicitados à CPMI dos Correios sobre quebras de sigilo bancário e fiscal de Marcos Valério e de suas empresas. Valério é acusado de ser o operador do suposto esquema de pagamento de mesadas a parlamentares, o chamado "mensalão".

De acordo com Lando, se os documentos não chegarem nos próximos dias, a comissão vai solicitar as informações à Polícia Federal, ao Ministério Público e ao Banco Central. "Se não chegar, a gente vai atrás", disse. Lando considera que, além dos depoimentos, é importante cruzar dados para chegar aos nomes dos parlamentares que receberam o dinheiro.

O deputado Carlos Abicalil (PT-MT), integrante da CPMI dos Correios, afirma, no entanto, que para obter os documentos referentes à quebra de sigilo, a comissão da Compra de Votos deve votar requerimentos no plenário. Segundo ele, a votação no plenário deve ser nominal. O relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), disse já ter conversado com Lando e dito que a intenção é colaborar com as investigações e possibilitar o acesso aos documentos.

A CPMI da Compra de Votos ouve, na próxima terça-feira, o empresário Marcos Valério e, no dia seguinte, Cristiano de Melo Paes, sócio do publicitário.