O líder do PFL no Senado, José Agripino (RN), deu há pouco prazo até segunda-feira para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou alguém do PT ou do governo se pronunciar sobre as afirmações feitas ontem, na CPI dos Correios, pelo publicitário Duda Mendonça sobre o financiamento da campanha do PT à presidência da República.

Agripino advertiu que, se isso não acontecer, não terá argumentos para convencer seus correligionários do PFL a não entrarem com representação na Procuradoria Geral da República pedindo a reabertura das contas de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em seguida ao desafio inicial, Agripino reforçou a advertência, afirmando que ele próprio não terá outra saída a não ser a de entrar com representação no Ministério Público, em nome do PFL. O líder disse que está hoje desde cedo no plenário do Senado aguardando o pronunciamento do presidente Lula.

"Espero franca e sinceramente que isso (as explicações) aconteça", afirmou Agripino. "Pois, caso contrário, assumo o compromisso de ingressar com representação na Procuradoria Geral da República para que admoeste o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), pedindo a reabertura das contas de campanha do presidente da República."