Brasília – O líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (RS), já iniciou as conversas com os outros líderes partidários sobre a possível sucessão do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP-PE), caso o parlamentar renuncie ao mandato. Segundo Fontana, entre os indicados pelo PT estão os deputados Sigmaringa Seixas (DF), Paulo Delgado (MG), Arlindo Chinaglia (SP) e José Eduardo Cardozo (SP).

"Não queremos fechar em torno de um nome que pareça impositivo e que constranja a Casa. Esses nomes são um sinal de que o PT quer dialogar com as bancadas e ouvir a avaliação de todos. A escolha deve ter o respaldo das bancadas de oposição e situação", defendeu Fontana. "O PT trabalha pelo retorno do critério da proporcionalidade. A retirada da maior da bancada da Mesa Diretora foi um erro. A reincorporação do PT à mesa nos traz mais estabilidade", acrescentou.

Pelo tradição, cabe ao partido com maior número de parlamentares indicar o presidente da Câmara. Outros partidos podem indicar candidatos e disputar o cargo em plenário. Isso foi o que ocorreu em 14 de fevereiro, quando o deputado Severino Cavalcanti derrotou em segundo turno o petista Luiz Eduardo Greenhalgh (SP). Naquela disputa, também concorreram Virgílio Guimarães (PT-MG), José Carlos Aleluia (PFL-BA) e Jair Bolsanaro (PP-RJ).

Vice-líder do PFL, o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (BA) disse que não descarta a hipótese de vir a apoiar um candidato do PT na sucessão de Cavalcanti. "Desde que o PT não imponha um nome, há possibilidade de negociar", afirmou. No início do ano, o parlamentar foi contrário à imposição pelo PT do nome de Greenhalgh para a presidência. "Precisamos agora aguardar a renúncia do deputado Severino, que espero acontecerá até quarta-feira. Essa renúncia abre espaço para a discussões em um cenário mais transparente."

O líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB), que tem conversado com Severino Cavalcanti, disse que o deputado está "propenso a resolver tudo na quarta-feira".