O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou que os "inimigos" do país incentivam protestos e criam "uma doente atmosfera de competência" em áreas de trabalho para atacar "a unidade da nação", em referência aos protestos de alguns setores trabalhistas. "Todas as associações (de trabalhadores) e as diversas classes sociais devem seguir, com a união e com a força a mesma linha", defendeu Khamenei, em declarações divulgadas na televisão pública.

Setores de trabalhadores, entre eles o de motoristas de ônibus, realizaram protestos para pedir novas condições de trabalho e melhores salários. Muitos líderes sindicais foram presos.

Os "inimigos" do Irã, disse o líder do país, "tomam como alvo a unidade da nação, montando grandes manifestações por descontentamento em algumas categorias e criando uma doente atmosfera de competência". Khamenei defendeu a regularização das relações trabalhistas no "sistema islâmico", já que "os empresários e os trabalhadores gozam do mesmo respeito".