O PFL e o PSDB anunciaram que vão apresentar amanhã (8) requerimento para que o ex-diretor de Furnas Dimas Toledo preste depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios. Segundo o líder do PFL no Senado, Agripino Maia (RN), o ex-diretor de Furnas precisa confirmar ou desmentir a autoria de uma lista de políticos pefelistas e tucanos que teriam recebido dinheiro de caixa 2 para financiamento de campanhas eleitorais.

"Corre a notícia de que nós, do PFL, estaríamos protelando a convocação de Duda Mendonça [publicitário responsável pelas campanhas do PT em 2002 e 2004] por causa do conteúdo da lista. Quero deixar claro que meu partido não faz acordo, acordinho ou acordão. Dimas Toledo e Duda Mendonça terão de vir ao Congresso para que não fique nenhum indício de dúvida sobre a índole da oposição", afirmou Agripino.

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), também defendeu o comparecimento de Dimas Toledo à CPMI para prestar esclarecimentos sobre a autoria da lista que está sob investigação da Polícia Federal. "Não há a menor hipótese de trocarmos nada por nada. Vamos fazer um acordo às claras e convocar todos os que têm contas a prestar a este país", afirmou.

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), lembrou que, desde o início da crise política que envolveu o país no ano passado, a partir das denúncias de corrupção, pediu à oposição que refletisse e tratasse com responsabilidade "o processo de denuncismo centrado no PT e no governo Lula". Mercadante destacou que o princípio fundamental na vida democrática é a presunção da inocência.

Segundo ele, a denúncia de financiamento de campanhas de políticos do PFL e do PSDB está sendo investigada pela justiça do Rio desde que foi apresentada pelo lobista Nilton Monteiro. O senador disse que conversou com o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e que este já havia pedido celeridade à Polícia Federal nas investigações sobre a autenticidade da lista.

Quanto às afirmações da oposição de que a lista teria sido montada com participação de políticos do PT, Mercadante disse que, "em nenhum momento, viu no partido qualquer menção à lista".

O relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), informou hoje que não pretende convocar o ex-diretor de Furnas Dimas Toledo para depor. A lista que está sendo investigada pela Polícia Federal contém o nome de mais de 150 políticos que estariam envolvidos em um esquema de caixa 2.