Duas novas passarelas metálicas estão sendo colocadas na Linha Verde, em Curitiba. A ideia da prefeitura é reforçar a segurança de pedestres ao atravessar a via que tem movimento pesado de veículos durante todos os dias.

+Viu essa? Repeteco de Carnaval? Pontos de Curitiba reúnem aglomerações em plena pandemia

Uma das estruturas fica em frente à Praça Cova da Iria e ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, no bairro Tarumã. Na sexta-feira (12), o trabalho estava na fase de construção das bases metálicas que irão dar sustentação à nova passarela que irá substituir a antiga de concreto. As fundações estão prontas e a obra será concluída em até quatro meses. Rodrigo Rodrigues, secretário municipal de Obras Públicas reforçou que a conclusão deve se estender até junho.

“A montagem da passarela será feita em partes, que serão interligadas no local e sobre as bases que estão sendo montadas. Em conjunto serão providenciados os acessos em ambos os lados e acredito que entre maio e junho já poderemos liderar para que as pessoas utilizem a estrutura”, disse o secretário.

Após muito tempo parada….

A ideia da prefeitura é terminar a obra até o fim de março, já que nos meses anteriores o local ficou praticamente sem movimentação alguma de trabalhadores. Foto: Ricardo Marajó/SMCS.

A outra passarela liga os bairros Bairro Alto e Bacacheri e servirá de apoio para quem utiliza o transporte público. Instalações elétricas de iluminação e a construção das partes em alvenaria como as rampas de acesso para cadeirantes estavam sendo realizadas na sexta-feira. A ideia da prefeitura é terminar a obra até o fim de março, já que nos meses anteriores o local ficou praticamente sem movimentação alguma de trabalhadores. “As passarelas são estruturas importantes, que asseguram aos pedestres a travessia sem risco sobre a Linha Verde, uma via de trânsito intenso e constante de veículos”, avaliou Rodrigo Rodrigues.   

14 anos de obra

Obra mais demorada da prefeitura de Curitiba, em 2021 a Linha Verde completa 14 anos de construção. A via rápida na antiga BR-476, que liga as regiões Norte e Sul da capital, passou pela gestão de quatro prefeitos: Beto Richa (PSDB), Luciano Ducci (PSB), Gustavo Fruet (PDT) e o próprio Rafael Greca (DEM). O atual prefeito na campanha eleitoral informou à Tribuna do Paraná que mantém em seu plano de governo a proposta de concluir a Linha Verde e, durante a gestão anterior, realizou todos os esforços possíveis para isso.

Em 2017, a prefeitura recuperou recursos da Caixa Econômica Federal e da Agência Francesa de Desenvolvimento para conclusão da Linha Verde. Porém, em agosto de 2019, o trabalho foi interrompido porque a administração municipal rompeu contrato com a empreiteira responsável pela última etapa da obra, entre os bairros Tarumã e Atuba. Quatro meses depois, em dezembro de 2019, as máquinas voltaram ao serviço com a contratação de um consórcio de empreiteiras. A retomada chegou a ser postada por Greca no Facebook com a hashtag #agoravai.

Desde então, o prazo de conclusão passou a ser dezembro de 2021. Mas a Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMPO) já fala na possibilidade de a Linha Verde terminar em 2022. “As obras devem ser concluídas entre o fim de 2021 e início de 2022. As obras da Linha Verde são complexas, seguem o tempo da engenharia e o rigor das leis que regem a execução de obras públicas”, justifica a secretaria. De acordo com a SMOP, hoje a Linha Verde não tem nenhum canteiro paralisado em seus três lotes finais.

Foto: Ricardo Marajó/SMCS.