A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 6,959 bilhões no segundo trimestre, alta de 41% sobre os R$ 4,930 bilhões apurados em igual trimestre de 2005. O valor ficou praticamente em linha com as projeções dos analistas consultados pela Agência Estado. De acordo com os cálculos de Merrill Lynch, Ágora, Credit Suisse e UBS, o resultado da estatal seria de R$ 7,2 bilhões.

A receita líquida aumentou 17%, para R$ 37,948 bilhões, também próxima das estimativas do mercado, que eram de R$ 37,5 bilhões. O lucro operacional antes do resultado financeiro cresceu 19%, para R$ 11,267 bilhões. A despesa financeira líquida recuou 79%, para R$ 141 milhões.

Já a geração de caixa, medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), ficou 5% abaixo da projeção média, apesar de ter crescido 16% sobre o segundo trimestre de 2005. O valor anunciado agora foi de R$ 13,614 bilhões, contra projeção média de R$ 14,3 bilhões. Os números são consolidados e conforme legislação societária brasileira.