O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, abandonou hoje de uma vez por todas o estilo Lulinha paz e amor e partiu para o confronto com o governo. Chamou a equipe econômica de “cega”, disse que o aumento da taxa de juros de 18% para 21% significa “mais retração e mais desemprego” e repetiu que o País está entregue “à especulação e à ganância de meia dúzia de banqueiros”. Advertiu, porém, que não entrará na “guerra fria”, como quer o candidato do PSDB, José Serra.

“O Brasil continua numa política cega, de uma equipe econômica que não enxerga a produção – seja na agricultura, seja na indústria – como única possibilidade de o País sair dessa encalacrada em que está metido”, afirmou Lula ao tomar café da manhã com cerca de 200 comerciantes e pequenos empresários, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Diante da fisionomia de curiosidade dos presentes, o presidenciável perguntou: “E vocês sabem o que vai acontecer?”. Ele mesmo respondeu: juros mais altos equivalem a dinheiro proibido para o empresário e para o consumidor. “É importante que vocês saibam que é ledo engano dizer que é preciso aumentar juros para conter a inflação. Isso significa mais retração e mais desemprego e este é o desafio que vamos pegar.”

Lula estava à vontade. Afinal, todos ali eram seus amigos, a maioria desde os tempos em que presidia o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo. A eles, o petista queixou-se do comportamento de Serra. “Vocês estão percebendo que, ao chegar ao final da campanha, meu adversário parece que perdeu um pouco a sensibilidade e aquele ar de bom moço”, reclamou. “Está desesperado e age como jogador de um time que está perdendo.”

Sempre chamando Serra de “meu” ou “nosso” adversário  Lula garantiu que, passadas as eleições, vai procurá-lo. “Ele sempre foi meu amigo e haverá de perceber que fez coisas equivocadas na campanha.”

Depois, disse estar “muito preocupado” com a situação do País, que, na sua avaliação, anda para trás. “Vocês podem perguntar: se a coisa é tão feia assim, por que você está disputando?” O candidato estava, na prática, interpretando uma dúvida que ronda o pensamento de muitos eleitores. E, antes que alguém tentasse descobrir a resposta, ele adiantou: “Acredito que seremos capazes de mudar esta situação”.

Em tom irônico, o petista afirmou que Serra está “sequioso” por debates. Reiterou, porém, que só poderá comparecer ao da TV Globo, no dia 25. O argumento oficial é que precisa percorrer 14 Estados neste segundo turno. “Não tenho problema com debate: como bom jogador de bola que fui, adoro uma peleja.”

Rota do frango

No São Judas Tadeu, tradicional restaurante de frango com polenta da família Demarchi, Lula pisou num tapete vermelho logo na entrada. Sua mulher, Marisa, andava na frente. “Atrás de uma grande mulher há sempre um grande homem”, brincou, invertendo a ordem do ditado. Foi naquele restaurante que sindicalistas, políticos e intelectuais redigiram o manifesto de fundação do PT, em 1979. Antes de ir embora, Lula lembrou a data. E, ao prometer fazer a economia crescer, disse que os restaurantes da “rota do frango” voltarão a ficar cheios. De segunda a domingo.