O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cancelou o encontro que teria amanhã com os novos deputados federais do PMDB, por falta de quórum. Até o início da noite, o líder do partido na Câmara, Wilson Santiago (PB), não havia conseguido mobilizar nem sequer a metade dos 90 deputados. Além da dificuldade de contatar os 32 novatos que se elegeram em outubro, Santiago amargou os efeitos do apagão aéreo, agravado pelo número excessivo de passageiros que sempre lotam os aeroportos nas festas de fim de ano.

A operação para adiar a reunião para o início de janeiro, logo depois das férias presidenciais de dez dias programadas por Lula começou logo cedo. O deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), telefonou para o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, e ponderou sobre a dificuldade dos parlamentares se deslocarem para Brasília, sobretudo dos nordestinos. Àquela altura, o presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), também já havia informado o Planalto de sua ausência e chamado a atenção para o risco da falta de representatividade do encontro.

Geddel argumentou, ainda, que não havia agenda política específica que justificasse a reunião. "Precisamos primeiro reunir a bancada e definir nossa posição em relação à presidência da Câmara. Aí, sim, deveremos ter uma audiência com o presidente da República para solidificarmos essa coalizão congressual", afirmou.