O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que o Brasil será independente de qualquer outro país no que se refere à área energética até 2008. Em entrevista concedida à rádio CBN, a primeira exclusiva como candidato, Lula disse que esta foi a conclusão de uma reunião realizada pelo Conselho Nacional de Política Energética logo após a Bolívia ter anunciado que iria nacionalizar as reservas de hidrocarbonetos. "Nós decidimos que até 2008 nós vamos deixar de ser dependente de qualquer país do mundo em se tratando de energia", afirmou o presidente.

Lula também caracterizou como "grave" o fato de o Brasil ter se tornado tão dependente do gás boliviano. "O que é grave é que um Pais como o Brasil não poderia ter ficado tão dependente do gás da Bolívia. Isso é que é grave", disse Lula. "A gente viveu até 1998 sem o gás da Bolívia. Por quê de repente a gente ficou dependente?", indagou. Mesmo assim, o presidente negou que tenha qualquer intenção de dar algum tipo de tratamento diferente ao gás boliviano em um eventual segundo mandato.

Segundo ele, há um acordo de 19 anos em andamento e que deve ser cumprido. "Não tem tratamento diferente. Temos um acordo", afirmou. Lula voltou a defender a legitimidade da decisão boliviana de nacionalizar suas reservas, mas destacou que, caso seja colocadas na mesa propostas de estatizar ativos da Petrobras, os bolivianos "sabem que terão que pagar o preço".

De acordo com o presidente, o biodiesel aparece atualmente entre os pontos de uma "revolução" que está em andamento no Brasil como um todo, inclusive no setor energético. Segundo ele, o País produzirá 840 milhões de litros do combustível no ano que vem, o que vem se traduzindo na geração de 210 mil empregos no campo.