Brasília – Em seu discurso de posse, o presidente reeleito Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que seu governo "nunca foi, nem é populista". "Este governo foi, é e será popular", afirmou, sendo aplaudido pelos presentes ao Congresso Nacional.

Lula defendeu que as políticas de inclusão social são "peça-chave do próprio desenvolvimento estratégico do país". "Dessa forma, nossa política social, que nunca foi compensatória, e sim criadora de direitos, será cada vez mais estrutural".

O presidente reeleito lembrou que, durante a campanha, afirmou que seu segundo governo "será o governo do desenvolvimento, com distribuição de renda e educação de qualidade". E defendeu que, para um "crescimento acelerado, duradouro e justo, devemos articular cada vez melhor a política macro-econômica com uma política social capaz de distribuir renda, gerar emprego e inclusão".

Lula defendeu o Bolsa Família, "saudado pelas comunidades pobres e criticado por alguns setores privilegiados". Mas afirmou que é preciso "criar alternativas de trabalho e produção para os beneficiários dos nossos programas de transferência de renda". "Aí, ocuparão lugar importante: a educação, a formação de mão-de-obra, a expansão do micro-crédito e do crédito consignado, o fortalecimento da agricultura familiar, o avanço da reforma agrária pacífica e produtiva, a economia solidária, o cooperativismo, o desenvolvimento de tecnologias simples e a expansão da arte e da cultura popular".