Às vésperas do Dia do Trabalho, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou, em sua entrevista semanal no programa de rádio Café com o Presidente, a recuperação do valor do salário mínimo no País, atualmente em R$ 380. "É importante comparar o que ele poderia comprar de cesta básica em janeiro de 2003 e o que ele pode comprar hoje. Ou seja, praticamente dobrou o poder aquisitivo do salário mínimo no Brasil", disse, acrescentando que o novo mínimo em vigor no País representa a injeção de R$ 15 bilhões a mais no mercado.

"É dinheiro que está circulando, gente que está consumindo. Quando há consumo, as lojas encomendam mais na fábrica, as fábricas produzem mais, geram mais empregos. Eu acho que todo mundo ganha mais com isso", comemorou o presidente. "Estamos reajustando o salário mínimo sempre acima da inflação para que a gente possa ter um poder de compra que permita um cidadão que ganhou o salário mínimo cuidar de si e da sua família.

Lula admitiu, no entanto, que o valor do mínimo ainda é baixo e exortou os próximos governantes a darem continuidade à atual política de recuperação do salário mínimo. "Eu penso que qualquer governo que vier depois de nós vai ter que dar seqüência a essa política de recuperação de salário mínimo, porque significa distribuir renda, significa melhorar a vida das pessoas mais pobres deste país", argumentou. Nesse sentido, manifestou apoio ao projeto de lei que propõe o reajuste do salário mínimo de acordo com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

"Está no Congresso Nacional uma proposta do governo que não é do governo, é uma proposta acordada com todas as centrais sindicais de garantir, durante os anos de 2008 a 2011, que a gente dê ao salário mínimo não apenas o reajuste da inflação, mas também uma variação do crescimento do PIB, ou seja, o crescimento da economia", explicou. Lula comentou que, se a proposta for aprovada, poderão ser alcançados "os melhores valores do salário mínimo da história desse país".