Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira (11) que, se for necessário, o Exército tem 10 mil homens prontos para ajudar o governo de São Paulo a combater a violência. Segundo o presidente, os governos federal, estadual e a sociedade ?não podem ser ameaçados, nem derrotados pela bandidagem?. 

 ?Na medida em que houver necessidade, o Exército brasileiro tem 10 mil homens para ajudar a Polícia Militar e o governo de São Paulo, sobretudo a sociedade paulista, que não merece passar pelo o que está passando?, disse o presidente, após visita ao 20° Grupo de Artilharia Campanha Leve, localizado na cidade de Barueri, na região da Grande São Paulo.

Questionado se o Exército poderia atuar nas ruas das cidades paulistas para conter a violência no estado, que tem aumentado com ataques atribuídos a uma organização criminosa, Lula disse aos jornalistas que, quando houver necessidade, as tropas do Exército irão, sim, para as ruas de São Paulo. ?Quando houver necessidade, haverá?, ressaltou.

Sobre os ataques a vários prédios públicos e a ônibus em São Paulo, atribuídos pela Secretaria estadual de Segurança ao Primeiro Comando da Capital (PCC), o presidente afirmou que a necessidade da presença das tropas do Exército no estado não é determinada apenas por um ataque. ?Essa presença é determinada pela logística dos comandos?, completou.

Sobre a conversa que teve com o governador Cláudio Lembo, para oferecer ajuda ao estado, Lula não quis adiantar o teor, mas lembrou que, desde o primeiro dia em que conversou com Lembo sobre a violência em São Paulo, deixou claro que o governo federal quer  colaborar na medida em que haja necessidade. ?Oferecer aquilo que a gente possa oferecer, e eles aceitarem na medida em que possam aceitar e que necessitem?, explicou.

 ?As pessoas estão percebendo que a gravidade [da situação em São Paulo] exige que sejamos companheiros, sejamos parceiros para que a gente possa encontrar uma solução. O estado brasileiro, o estado de São Paulo e a sociedade que trabalha neste país tem que vencer os bandidos?, concluiu o presidente Lula.