As coligações "A Força do Povo" e "Por um Brasil Decente" que apóiam, respectivamente, as candidaturas do petista Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do tucano Geraldo Alckmin, são campeãs em números de representações ajuizadas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No total, a Justiça Eleitoral recebeu 307 representações. Destas, 137 foram ajuizadas pelas coligações petista e tucana.

A coligação de Alckmin aparece na frente, com 76 representações, seguida da coligação de Lula, com 61, contabilizando primeiro e segundo turno. Desse total de 137 ações, 95 foram protocoladas no primeiro turno e 42, no segundo turno. São 48 pedidos de direito de resposta, 59 pedidos de perda de tempo por invasão de horário, seis requerimentos de abertura de investigação judicial e 24 ações referentes a pedidos variados, como acusação de ridicularização ou degradação de candidatos, entre outros.

O levantamento, divulgado no site do TSE, considerou as ações protocoladas entre os dias 15 de agosto e 24 de outubro, até às 13h. Foram consideradas ações em que as coligações figuram, necessariamente, como partes, seja como representante ou como representada.

Resultados

No primeiro turno, foram requeridos 22 direitos de resposta, sendo 18 da coligação que apóia Lula contra a coligação "Por um Brasil Decente" e quatro da coligação de Geraldo Alckmin contra a adversária. Desses pedidos, o candidato Lula ganhou um direito de resposta e Alckmin nenhum.

Já no segundo turno, foram pedidos 26 direitos de resposta. Desses, 16 foram da coligação petista contra a adversária e dez da coligação tucana contra a do candidato Lula. Dessas 26, o presidente Lula ganhou direitos de resposta em três representações, totalizando três minutos no horário eleitoral do adversário. Alckmin obteve direito de resposta de dois minutos no horário do presidente Lula, que tenta a reeleição.