Em recado direto ao presidente da Argentina, Néstor Kirchner, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ontem (18) que os dois países, os maiores do Mercosul, sejam ?mais generosos? com os vizinhos mais pobres e afirmou que integração significa, sobretudo, ?despojamento de interesses pessoais e até de um interesse nacional?. Em discurso na abertura do Foro de Governadores e Prefeitos do Mercosul, ele também criticou indiretamente o Uruguai, que discute a possibilidade de negociar um tratado de livre comércio com os Estados Unidos.

?Minha tese é de que os países mais fortes têm de ser sempre mais generosos, ter políticas para ajudar os países mais pobres. Foi assim que a União Européia conseguiu ajudar o desenvolvimento da Espanha, de Portugal, da Grécia, e agora está ajudando outros novos 15 parceiros. Esse é um gesto que os países maiores têm de fazer?, disse Lula.

A declaração ocorre após a tentativa da Argentina de bloquear o ingresso pleno da Bolívia no Mercosul sem o cumprimento da Tarifa Externa Comum (TEC), instrumento que confere ao bloco o caráter de união aduaneira. Lula disse que o desafio é ?gigantesco? e reconheceu que há problemas de assimetria e desigualdade ?muito fortes? entre as economias dos países, mas afirmou que a solução ?não depende da Europa, não depende do Japão, não depende da China e não depende dos Estados Unidos?.

?Não sei se Deus nos deu essa grandeza para entender que depende só de nós e de mais ninguém?, discursou Lula. Segundo ele, Brasil e Argentina têm mais responsabilidade no processo. ?Os dois maiores é que têm mais responsabilidade. Nós é que temos de ser mais generosos, nós é que temos de ter maior compreensão.? Segundo ele, a compreensão da necessidade só vem com a maturidade e a evolução da classe política.

?Vira e mexe eu ouço dizer: ?É melhor fazer acordo com os Estados Unidos do que com o Brasil?. Se estiver pensando no imediato, até pode ser, para um mês ou para um ano. Mas este continente já tem muita experiência, muitas frustrações e muitas decepções.? Lula admitiu que existe uma ?debilidade? na integração. ?Fomos repúblicas colonizadas e tivemos a nossa cabeça voltada, num primeiro momento, para a Europa, e, depois, para os Estados Unidos. Nós nos víamos como inimigos. Até pouco tempo, a Argentina era considerada uma ameaça imperialista e o Brasil foi considerado imperialista?.

Ele citou o diálogo com um ex-presidente da Bolívia, em 2002: ?Ao me visitar, ele disse: ?Lula, eu passei 50 anos acreditando que o Brasil era uma ameaça, e dediquei 20 anos a acreditar que os Estados Unidos iriam salvar a Bolívia. Agora, quero dedicar esses quatro anos a acreditar que o Brasil pode ser melhor para a Bolívia do que foram os Estados Unidos.

Lula afirmou que não há ?nenhum problema de isolamento com nenhum país?. O desafio, disse, é pensar não apenas na integração econômica, ?porque essa os empresários sabem fazer como ninguém?. ?Precisamos da integração cultural, política, social. Essa integração só se dará quando o povo for artista principal e não coadjuvante.? Para Lula, a América Latina ?está mudando seu perfil ideológico?. Ele afirmou que o socialismo pregado pelo presidente da Venezuela não o preocupa. ?O Chávez fez um discurso para o seu povo. Não vejo problema.

À noite, Lula dividiu a mesa principal no Palácio Itamaraty com os presidentes participantes da Cúpula do Mercosul. Após o jantar, que teve também a presença de governadores e empresários os chefes de Estado assistiram a uma apresentação da escola de samba Portela.