O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transmitiu nesta sexta-feira (19) a presidência pro tempore (temporária) do Mercosul para o presidente do Paraguai, Nicanor Duarte. Em seu primeiro pronunciamento nesse cargo, que será exercido pelos próximos seis meses, Duarte destacou a importância de um comércio regional "cada vez mais justo, fundamentado em princípios de eqüidade que nos outorgue a autoridade política e moral para reclamar esses critérios e princípios".

De acordo com Duarte, o Paraguai vai se empenhar para seguir o caminho já traçado da integração. "Na globalização econômica, temos que aprontar países que muitas vezes estão em condições muito desiguais pela ausência de uma ordem econômica que permita a todos crescer em desenvolvimento e sobretudo melhorar as condições de vida dos nossos povos", acrescentou.

Chile

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, afirmou no segundo dia da Cúpula do Mercosul que a integração sul-americana, para ser sustentável, "tem de passar da palavra para a ação". Segundo ela a aliança de países da região não deve ser apenas uma forma de combater a pobreza, mas um instrumento para fortalecer a democracia e promover uma sociedade mais justa.

Durante discurso na reunião da Cúpula do Mercosul, a presidente chilena indicou que um acordo comercial deve ter quatro objetivos globais: estabelecer um marco normativo para contribuir com um espaço econômico comum, uma zona de livre comércio no período de 10 anos, facilitar o desenvolvimento de uma infra-estrutura física para interconexões bioceânicas e criar condições para se iniciar a liberalização de comércio e bens.

Além disso, Bachelet afirmou que o desafio da integração da América do Sul é promover o desenvolvimento social junto com o desenvolvimento político e econômico. Ela também defendeu reformas sociais "para que o nosso povo possa viver da melhor maneira".