Brasília ? Existem 117 reféns em 29 penitenciárias cujos presos continuam em rebelião, segundo balanço divulgado no início da tarde de hoje (15) pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) do Estado de São Paulo. Um total de 246 reféns foram libertados em 44 penitenciárias que encerraram rebeliões.

Quatro presídios que ainda permanecem em rebelião não tem reféns, de acordo com a secretaria. São eles: Penitenciária I de São Vicente, Penitenciária de Pacaembu, Penitenciária de Álvaro de Carvalho e Centro de Detenção Provisória (CDP) de Ribeirão Preto. O maior número de reféns, 11, está preso na penitenciária CDP III de Hortolândia. Das rebeliões encerradas, apenas a Penitenciária de Flórida Paulista não teve reféns.

Em três dias de conflitos, o estado de São Paulo registrou 180 ataques contra prédios públicos, bases comunitárias da polícia e servidores das corporações militares e civis estaduais, incluindo 56 ônibus e oito bancos. O balanço foi divulgado hoje pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Segundo o último balanço, 91 criminosos foram presos e 38 foram mortos nos confrontos com a polícia. Também morreram 22 policiais militares, seis policiais civis, três guardas metropolitanos, oito agentes de segurança e quatro cidadãos que, de alguma forma, estiveram envolvidos nos conflitos. Outras 15 pessoas saíram feridas. O número de policiais feridos, até agora, é de 34.