O ministro da Fazenda, Pedro Malan, criticou hoje a superficialidade do Brasil na discussão sobre as questões sociais. Em debate no seminário internacional sobre estratégias para a superação da pobreza, que acontece no Hotel Nacional, em Brasília, o ministro da Fazenda lamentou o que classificou de “discurso fácil” que acontece nesta área. “É uma pena que percamos tanto tempo fazendo o discurso fácil, quando há tanta coisa a aprofundar”, afirmou.

Num discurso político em defesa do governo Fernando Hernrique Cardoso, Malan disse que é preciso reconhecer que houve avanços na área social nos últimos anos no País. “Estamos melhores que estávamos. O Brasil não retrocedeu, mas avançou na esmagadora maioria dos indicadores sociais”, declarou.

Na avaliação do ministro, há muito o que fazer para avançar na área social. “Esse muito que há para fazer não pode obscurecer o já feito”, disse. Segundo ele, falta à maioria dos pesquisadores senso de perspectiva na análise sobre os avanços na área social. Citando números, Malan relatou avanços nos indicadores sociais e lembrou que o Banco Mundial reconheceu que o Brasil é um dos três países que mais rápido avançou na década de 90 na área social.

Citando ainda o programa Comunidade Solidária, ele disse que a história há de fazer justiça ao trabalho empreendido que, segundo o ministro, é vitorioso e conseguiu avançar sem uma política assitencialista, sem fisiologismo e eliminando a intermediação política. Malan afirmou também que o programa de distribuição de renda do atual governo será reconhecido quando se deixar de olhar sem emoção, mas com boa fé e de maneira desapaixonada.