Maldonado não se recuperou do entorse no tornozelo direito e desfalca o Santos contra o Paraná, domingo, às 18h10, em Curitiba. Com a ausência do chileno, o técnico Vanderlei Luxemburgo vai manter o esquema de três zagueiros com uma mudança – sai Manzur e entra Domingos – e escalar Wendel como primeiro volante. Seu pensamento era armar a equipe com dois zagueiros para reforçar o meio-de-campo, fixando três volantes – Maldonado, Wendel e Cléber Santana – à frente da área para neutralizar o perigoso contra-ataque do Paraná. Porém, como Maldonado foi vetado pelos médicos, foi obrigado a rever seus planos.

Em razão da suspensão de Reinaldo, Wellington Paulista entra no ataque para formar dupla com Jonas. Outra novidade pode ser a confirmação de André no lugar de Tabata. Nos dois últimos treinos, o ex-jogador de Irati foi o titular.

Nas conversas com os jogadores, Luxemburgo chamou a atenção para as dificuldades que o time deve enfrentar contra o Paraná em razão das más condições do campo do Pinheirão, onde será realizado o jogo. "Por isso, estou pensando em fazer algumas alterações. Esse tipo de campo prejudica jogadores mais leves como Tabata. Mas, de qualquer maneira, vou escalar a equipe apenas no domingo, pouco antes do jogo", disse.

Luxemburgo deixou claro que não pretende mexer demais no time, mas admite escalar de acordo com as conclusões que tirar sobre as condições do gramado do Pinheirão. Antes do treino de hoje, o técnico conversou demoradamente com o lateral-esquerdo Kléber, que cumpriu a suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo contra o Internacional e está de volta,e não será surpresa se ele for improvisado na função de meia armador.

Essa é uma idéia que Luxemburgo vem amadurecendo desde a intertemporada, quando escalou Kléber na meia, num amistoso com o Atlético-MG, e ficou impressionado com a qualidade de passe que o lateral tem. "Para mim, jogar no meio não tem problema, porque nas equipes de base eu era armador e no Basel (Suíça) joguei no meio-de-campo", disse Kléber.