Foto por: Thomas Coex

Nelson Mandela, herói da luta contra o Apartheid, está neste domingo no estádio de Soccer City, em Johannesburgo, de onde saudou a multidão, numa viatura especial, após a cerimônia de encerramento do Mundial de 2010.

Foto por: Thomas Coex

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, herói da luta contra o Apartheid, está neste domingo no estádio de Soccer City, em Johannesburgo, para saudar os torcedores após a cerimônia de encerramento do Mundial de 2010 e antes da final da competição.

Vestido de preto, com gorro e luvas, Mandela fez uma breve aparição no estádio a bordo de uma viatura especial, que deu uma volta rápida pelo campo, enquanto os mais de 80 mil espectadores gritavam “Madiba”, seu apelido.

Sua presença foi dúvida até pouco antes do início do evento. Perto de completar 92 anos e com um delicado estado de saúde, Nelson Mandela anunciou que estaria presente na abertura da competição, no dia 11 de junho, mas a morte de sua bisneta Zenani algumas horas antes o fez desistir da ida ao local.

.

Foto por: Thomas Coex

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, herói da luta contra o Apartheid, está neste domingo no estádio de Soccer City, em Johannesburgo, para saudar os torcedores após a cerimônia de encerramento do Mundial de 2010 e antes da final da competição.

Vestido de preto, com gorro e luvas, Mandela fez uma breve aparição no estádio a bordo de uma viatura especial, que deu uma volta rápida pelo campo, enquanto os mais de 80 mil espectadores gritavam “Madiba”, seu apelido.

Sua presença foi dúvida até pouco antes do início do evento. Perto de completar 92 anos e com um delicado estado de saúde, Nelson Mandela anunciou que estaria presente na abertura da competição, no dia 11 de junho, mas a morte de sua bisneta Zenani algumas horas antes o fez desistir da ida ao local.

Seu neto acusou, mais cedo neste domingo, a Federação Internacional de Futebol (Fifa) de “fazer pressão” sobre o primeiro presidente negro da África do Sul para conseguir sua presença na final da competição.

“Decidiu vir. Virá apenas para o início (da cerimônia), para saudar os torcedores, antes de voltar para casa”, comentou neste domingo à tarde Nkosi Zwelivelile Mandela, o porta-voz da família que pouco antes havia afirmado que a família ainda estava pensando na possível presença do prêmio Nobel da Paz.

“É apenas para agradecer e prstar homenagem a todos os torcedores”, afirmou, explicando que pretende ver a final, entre Holanda e Espanha, pela televisão.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, declarou na quinta-feira que esperava ver o primeiro presidente negro da África do Sul (1994-1999) na final. “Isto criou espectativa”, lamentou o neto de Mandela.

Blatter desejou que Mandela entregasse o troféu ao vencedor da competição como o fez na final do Mundial de rugby em 1995, em Johannesburgo.

O time sul-africano venceu a competição há 15 anos e o presidente Mandela deu uma grande alegria aos compatriotas brancos do país, assistindo à final vestido com uma camiseta dos “Springboks”, o time dos dirigentes do Apartheid, que havia caído um ano antes.

Mandela, um dos principais artífices da escolha da África do Sul como sede da Copa do Mundo de 2010, demonstra um estado de saúde muito debilitado devido à idade e reduziu notavelmente sua agenda para aparecer o mínimo possível em público.