Líderes sindicais que representam aproximadamente 100 mil metalúrgicos no Paraná aprovaram nesta sexta-feira (11) uma estratégia de mobilização conjunta para as próximas campanhas salariais. A intenção é garantir maiores avanços para a classe trabalhadora. A definição é resultado do "Seminário da Pauta Unificada de Negociação Coletiva dos Metalúrgicos do Paraná", realizado pela Federação dos Metalúrgicos do Paraná (Fetim), nesta quinta e sexta-feira, em Curitiba. A entidade reúne oito sindicatos de trabalhadores da categoria, das regiões de Curitiba, Londrina, Paranaguá, Cascavel, Guarapuava, Pato Branco, Maringá e Irati.

A proposta da Federação prevê a centralização da data-base dos trabalhadores no mês de novembro. Será formatada uma pauta única de reivindicações. Todo o conjunto de medidas elaborado pelos líderes sindicais no Seminário será enviado agora ao sindicato patronal (Sindimetal), que representa as empresas, para negociação.

O presidente da Federação dos Metalúrgicos do Paraná, Sérgio Butka, explica que a unificação das campanhas irá fortalecer os movimentos em defesa dos trabalhadores. "Teremos conquistas mais significativas e homogêneas em todas as regiões, em bandeiras como redução da jornada de trabalho, implantação de Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) e luta por políticas adequadas de saúde e segurança no trabalho", afirma Butka.

Histórico de negociação

Até meados dos anos 1980, a negociação dos metalúrgicos era unificada no Paraná. No entanto, com a criação de novos sindicatos patronais no Estado e com o passar dos anos, as entidades passaram a fazer negociações regionais. Essa descentralização fez com que as conquistas ficassem desiguais de acordo com a localidade. As entidades menos organizadas, ou menos fortes, passaram a ter um déficit de conquistas se comparados com o sindicato da Grande Curitiba, por exemplo. Com a pauta unificada, conquistas como a redução da jornada de trabalho e a PLR, que já fazem parte da realidade de algumas regiões do Estado, poderão passar a se concretizar nas localidades menos favorecidas.

Conquistas metalúrgicas

De acordo com o Dieese, a categoria metalúrgica tem conquistado avanços importantes nos últimos anos, pois vêm conseguindo defender o salário da inflação, com reajustes salariais e aumento real. "Os metalúrgicos tiveram uma situação diferente da renda média salarial do brasileiro. Enquanto a renda do brasileiro caiu fortemente entre 1998 e 2003, e teve estabilidade em 2004 e 2005, os metalúrgicos conseguiram defender o salário da inflação, com aumento real", analisa o economista do Dieese, Cid Cordeiro.