Dois acordos fechados ontem pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba encerraram as greves na Robert Bosch, maior metalúrgica do Paraná, e na Metapar, também pertencente ao grupo Bosch. Com os acordos, 3.750 funcionários voltaram ao trabalho: 3.500 na Robert Bosch e 250 na Metapar, ambas na CIC.

Na Mollins, fabricante de bens de capital para a indústria do fumo, os 250 empregados entraram em greve por tempo indeterminado. A empresa espera a negociação via sindicato patronal, mas os trabalhadores querem negociar diretamente com a direção da empresa. A Trox do Brasil, fabricante de sistemas de ventilação industrial, entrou ontem no terceiro dia de paralisação. A empresa, que tem 250 funcionários, entrou com pedido de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que será julgado na próxima quinta-feira.

O acordo na Bosch ocorreu depois de a empresa ingressar com pedido de dissídio coletivo no TRT. Na audiência de conciliação com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba realizada ontem na Delegacia Regional do Trabalho, a empresa apresentou nova proposta, que foi aceita pelos trabalhadores em assembléia. A Bosch ofereceu reposição integral do INPC até o teto de R$ 4,2 mil, abono de R$ 650,00 para todos os empregados no dia 20 de dezembro, aumento real de 2% a ser incorporado aos salários em dezembro de 2004 até o teto da categoria (R$ 2.364,00). Colaboradores com salário superior ao teto, terão a incorporação de um valor fixo correspondente a 2% deste teto. A Bosch informou que a paralisação causou atrasos na entrega de pedidos de clientes, que serão recuperados rapidamente.

A Bosch garantiu ainda redução da jornada de 44 para 42 horas semanais em janeiro de 2004, sem diminuição salarial; pagamento da multa de 40% do FGTS em caso de demissão de trabalhadores aposentados; custeio de tratamento de doenças e acidentes de trabalho; e não irá descontar as horas paradas. O acordo da Metapar foi fechado nos mesmos moldes.

Hoje, às 7h, haverá assembléia na Case New Holland. Como o prazo legal de 48 horas já venceu, há possibilidade de votação de greve, informou o Sindicato dos Metalúrgicos. Além das negociações empresa por empresa, os sindicalistas continuam negociando com o Sindimetal e o Sindimaq, que juntos empregam 30 mil trabalhadores. As propostas dos sindicatos patronais serão votadas em assembléias dos trabalhadores previstas para segunda-feira.