A Comissão de Minas e Energia promoverá audiência pública na quarta-feira (28) para investigar a aquisição da empresa Petróleo Ipiranga pela Petrobras, Braskem e pelo Grupo Ultra. A principal suspeita é de que tenha ocorrido vazamento de informações privilegiadas sobre a aquisição e que algum grupo econômico tenha se beneficiado indevidamente com a valorização repentina das ações.

A compra foi anunciada nesta semana, e os compradores desembolsaram cerca de 4 bilhões de dólares (aproximadamente R$ 8,4 bilhões). O negócio, que envolve a totalidade das ações do grupo Ipiranga, é uma das maiores operações empresariais já realizadas no Brasil. Segundo avaliações do mercado financeiro, o grupo vale entre 3 e 3,5 bilhões de dólares (cerca de R$ 7,3 bilhões).

Participantes

Para a audiência pública, serão convidados os presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli; da Braskem, Carlos Grubisich; e do Grupo Ultra, Pedro Wongtschowski.

Na reunião da comissão ocorrida na quarta-feira (21), foram aprovados três requerimentos sobre o assunto, de autoria dos deputados José Otávio Germano (PP-RS), Eduardo Valverde (PT-RO), Neudo Campos (PP-RR) e Vitor Penido (PFL-MG).

Pedido de informações

Além da audiência, a comissão aprovou um pedido formal de informações ao ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, a respeito dos termos do contrato de compra do grupo Ipiranga. O pedido será enviado à Mesa Diretora, a quem cabe encaminhar a solicitação ao ministro. Rondeau terá 30 dias para responder ao questionamento. Caso não o faça, estará sujeito a responder por crime de responsabilidade.

A comissão também aprovou a realização de audiência pública com o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Marcelo Fernandez Trindade. Ele deverá prestar esclarecimentos sobre o possível vazamento de informações privilegiadas. Essa audiência ainda não tem data marcada, pois os deputados aguardarão o resultado de duas investigações que a CVM iniciou sobre o assunto, para, só então, agendar a vinda do presidente da instituição.