Brasília – O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realiza esta semana auditorias simultâneas nos sistemas de defesa sanitária animal de Pernambuco e Santa Catarina. A ação faz parte do Plano Brasileiro de Prevenção da Influenza Aviária e de Controle e Prevenção da Doença de Newcastle.

De acordo com o ministério, a fiscalização também será feita em breve no Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Sergipe e Tocantins. O coordenador do Programa Nacional de Sanidade Avícola, Marcelo Mota, explica que a iniciativa visa avaliar se os estados estão preparados para detectar doenças e agir rapidamente sem prejudicar a indústria avícola.

?É importante fiscalizar como o serviço de proteção a essas doenças está sendo executado nas secretarias de agricultura dos estados, pelo setor privado, para que a gente continue a certificar o produto brasileiro como isento de risco a essas doenças e o Brasil continue a ganhar mercado?, afirmou Mota.

O Brasil exportou no ano passado mais de 3 milhões de toneladas em produtos avícolas e atualmente lidera o ranking de exportadores no setor. ?Exportamos carne de frango para mais de 140 países no mundo, entre países da União Européia, países árabes, do sudeste asiático, da África. Há presença de produto avícola brasileiro em todos os continentes.?

A avaliação do Ministério da Agricultura nos estados será dividida em quatro grupos classificatórios, sendo os de nível ?A? estados com produtos reconhecidos como de maior eficiência no país e de livre circulação no território nacional; nível ?B? considerados funcionais, mas com necessidade de auxílio do Ministério da Agricultura; nível ?C? estados considerados de nível intermediário, necessitando a coordenação do ministério e, nível ?D?, os que necessitam de estruturação e desenvolvimento de ações para a realização de vigilância as doenças de aves.

Os estados que não aderirem ao Plano Brasileiro de Prevenção da Influenza Aviária e de Controle e Prevenção da Doença de Newcastle serão classificados como de nível inferior de Defesa Sanitária Animal, podendo receber restrição na venda dos produtos. O prazo para adesão ao plano termina no dia 31 de julho.