A área plantada do Brasil deve sofrer redução de 5% no próximo ano, segundo estimativa Ministério da Agricultura. O anúncio foi feito, nesta segunda-feira, pelo ministro Roberto Rodrigues, ao participar do seminário "Opções Estratégicas na Cadeia de Biocombustíveis", promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Rodrigues disse que há um conjunto de fatores que sinalizam para produção agrícola menor do que se estimava acontecer no próximo ano. Segundo o ministro, a redução da renda agrícola contribuiu para o quadro.

"O problema é que a renda rural despencou muito este ano, por diversos fatores, custos que subiram, preços que caíram, endividamento que ficou muito alto, queda na produção por causa de seca em algumas regiões do país. A renda caiu muito e com isso há um claro desânimo por parte dos produtores quanto à próxima safra", explicou.

O ministro ponderou, no entanto, que como os custos da próxima safra serão menores a renda agrícola poderá se elevar em 2006 na comparação com este ano, mas acrescentou que ainda é cedo para garantir que irá restabelecer o nível anterior. "Não sei. É muito cedo para falar sobre isso, porque não se tem noção de como os preços vão se comportar no ano que vem, depende do câmbio e de outros fatores que estão por definição", explicou.

Para Rodrigues, os produtos mais atingidos são o algodão, arroz e trigo com reflexos, ainda, na soja e no milho. Rodrigues afirmou que houve atraso muito grande na definição da prorrogação das dívidas dos produtores e com isso o volume de recursos para crédito e custeio da próxima safra também foi postergado, problema que para ele, já está superado.

"Agora não, as coisas estão decididas, já se definiram todos os mecanismos de prorrogação, já se tem clareza sobre o volume que será prorrogado e também clareza dos recursos disponíveis para a próxima safra", analisou.