Para melhorar o ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas públicas do país, o Ministério da Educação, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), edita dois livros para orientar os professores do ensino fundamental e médio.

Os livros "Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal 10.639/03", da coleção Educação para Todos e a histórica edição de "Superando o Racismo na Escola", esgotado desde 2001, terão tiragem inicial de 10 mil exemplares e começam a ser repassados para as escolas públicas a partir de 1º de julho. O conteúdo dos livros também deverá ser disponibilizado para a população e professores da rede particular de ensino na página da internet do Ministério da Educação (www.mec.gov.br).

Para a coordenadora de Estudos e Pesquisas da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, do Ministério da Educação, Maria Lúcia de Santana Braga, as duas publicações vão auxiliar os professores a cumprir a determinação da lei que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira no País. "Esses dois livros vão ajudar os professores em suas práticas em sala de aula, como tratar a diversidade étnico-racial na escola. Essas publicações vão dar condições aos professores de trazer para a sala de aula debates sobre a discriminação racial, que ajudarão no combate ao problema no Brasil", informa Maria Lúcia.

A coordenadora afirma que a edição dos livros vai ampliar o número de professores com acesso a informações sobre a história e cultura afro-brasileira. O Ministério da Educação, de acordo com Maria Lúcia de Santana Braga, deve lançar no segundo semestre de 2005 mais três novas publicações para facilitar a implementação da lei que obriga o ensino da história e cultura afro-brasileira no país.