O Ministério da Justiça vai rastrear no exterior as contas das quais foi enviado dinheiro para a empresa Dusseldorf, do publicitário Duda Mendonça, nas Bahamas.

"Se o dinheiro for de origem ilícita, o governo brasileiro vai trabalhar com o bloqueio e a repatriação de todo o dinheiro", disse Cláudia Chagas, secretária Nacional de Justiça, após reunir-se com o presidente da CPI do Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS) e outros integrantes da comissão.

"A idéia é descobrir quem alimentou as contas", disse Cláudia. Segundo ela, o Ministério vai rastrear não só o dinheiro que entrou na conta de Duda Mendonça, mas também quem alimentou as contas que enviaram recursos para o publicitário.

Cláudia Chagas acredita que num prazo de 30 dias o governo deverá obter as primeiras informações sobre a origem desse dinheiro no exterior. De acordo com o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), sub-relator da CPI, o Ministério da Justiça deverá, através da Polícia Federal, encaminhar ainda hoje pedido de quebra do sigilo bancário da conta de Duda Mendonça no exterior.

"Se houver caracterização de corrupção ou evasão de divisas, será pedida a indisponibilidade e a repatriação dos recursos", disse.

"A CPI e o Ministério da Justiça vão trabalhar em conjunto para rastrear as contas no exterior a partir da conta do Duda Mendonça", reforçou Delcídio Amaral. A CPI já sabe que a empresa de Duda Mendonça (Dusseldorf) é nas Bahamas, mas a conta foi aberta no Banco de Boston em Miami. Isso facilitará a eventual repatriação dos recursos, uma vez que o Brasil tem um acordo com os Estados Unidos para combater lavagem de dinheiro.