O ministro das Comunicações, Hélio Costa, criticou o sistema de cobrança de serviços da telefonia fixa. "Os pobres estão pagando a conta do telefone pelos ricos", disse. Ele explicou que a classe média e a faixa de renda de até um salário e meio usam apenas 30% dos pulsos embutidos na assinatura (400 minutos) e pagam, aproximadamente, pelo minuto, R$ 0,56. Enquanto isso, os que usam um total de pulsos maior pagam cerca de R$ 0,16. "É uma injustiça", afirmou.

Hélio Costa disse que a assinatura básica está servindo de instrumento para o aumento excedente de 9%, que é concedido às companhias telefônicas além do IGP-DI (Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna) e todos os anos elas escolhem a assinatura básica para fazer o aumento extra, quando são vários os serviços que compõem a cesta dos produtos da telefonia.

"Todos os anos eles tiram a assinatura básica e aumentam além do IGP-DI mais 9%. Veja só o resultado que têm tido as empresas", afirmou.

Hélio Costa, participou, hoje, no Rio, da abertura do 19º Congresso da União Postal das Américas, Espanha e Portugal, que reúne representantes de 27 países dessas regiões. Essa é a primeira vez que o Congresso que se repete a cada cinco anos, acontece no Brasil.