Brasília – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Cezar Peluso autorizou nesta segunda-feira (16) à noite que os advogados dos 25 presos pela Operação Furacão, realizada pela Polícia Federal (PF) na última sexta-feira (13), tenham acesso aos inquéritos policiais. O ministro determinou ainda que a Polícia Federaç garanta ?entrevista pessoal, direta e reservada dos presos com seus advogados?.

Com essas medidas, o ministro Cezar Peluso atende às solicitações da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que, na tarde desta segunda-feira, protocolou uma petição no STF pedindo providências contra ?arbitrariedades? que estariam sendo cometidas pela PF, como o impedimento de acesso pessoal dos advogados aos presos e aos autos de investigação, como também a recusa em se conceder celas especiais para detidos com esse direito.

De acordo a assessoria do STF, Peluso também decidiu pedir informações a respeito das acomodações dos presos com direito a prisão especial, bem como o estado de saúde de dois deles. Um dos detentos alega ser portador de doença grave, o que levou o ministro a pedir ?imediata? avaliação médica.

Sobre os quatro pedidos de relaxamento de prisão (dos desembargadores José Ricardo de Siqueira Regueira e José Eduardo Carreira Alvim, do advogado Silvino Cabral Junior e do procurador João Sérgio Leal Pereira), bem como outros requerimentos juntados ao Inquérito 2424, Peluso decidiu antes ouvir o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza.