O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Edson Vidigal, criticou a atuação dos parlamentares nas comissões de inquérito e afirmou que as investigações precisam ser refeitas por órgãos como o Ministério Público. Para ele, a impunidade é fruto da falta de objetividade na apuração das denúncias por parte das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI’s).

"Elas estão treinando e é bom treinar, mas nós não podemos confiar totalmente apenas na apuração. É preciso que tenhamos um Estado mais aparelhado, senão vamos contribuir para a impunidade pela morosidade", disse.

O ministro do STJ lembrou que o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) deve ser encaminhado ao Ministério Público, que pode oferecer a denúncia.

 "Temos visto que as CPIs terminam, a papelada é mandada para o Ministério Público, que vai se virar junto com a Polícia Federal. Depois, é que vai se chegar à conclusão se tem ou não prova suficiente para se instaurar a ação penal".

Vidigal defendeu ainda que os partidos políticos busquem integrantes mais experientes no exercício do Direito. O ministro participa do seminário Propostas para um Novo Modelo de Persecução Criminal ? Combate à Impunidade.