São Paulo (AE) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello afirmou hoje (12) estar "absolutamente perplexo" ao comentar a crise no governo federal e no PT. "Perplexo porque os acontecimentos suplantaram a imaginação mais fértil em termos de desvio de conduta. É preciso que as instituições funcionem para a segurança jurídica da sociedade", disse Marco Aurélio, depois de participar de uma palestra do presidente do STF, Nelson Jobim, numa faculdade de São Paulo.

O ministro considera que ainda é cedo para falar de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Vamos deixar que as CPIs concluam os trabalhos", disse. Para ele, os responsáveis devem ser punidos: "Que aqueles que claudicaram paguem por terem claudicado."

Marco Aurélio ainda apontou agravantes na crise atual. "Claro que a corrupção, que decorre da fragilidade humana, sempre existiu. Agora, a quadra vivida é surpreendente", argumentou. "É surpreendente quanto à esperança. A esperança que houve na última eleição." Para explicar suas afirmações, ele citou o escritor John Steinbeck (Prêmio Nobel de literatura em 1962). "Quando uma luz se apaga é muito mais escuro do que se jamais houvesse brilhado. É a decepção, é a frustração."

Indagado se ele acredita que o presidente Lula não sabia dos problemas envolvendo seu partido, respondeu apenas: "O presidente é o dirigente maior do País. Ele acompanha a vida da nação".

Já o presidente do STF preferiu evitar embates: "Não vou emitir juízo político sobre essas situações", afirmou Jobim. "A única coisa a dizer é que as instituições estão funcionando."