Brasília – O aprimoramento da supervisão dos cursos de graduação foi o tema central da reunião desta terça-feira (22) da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes). Na abertura da reunião, o ministro da Educação, Fernando Haddad, sugeriu aos membros da comissão medidas para o aperfeiçoar o sistema de supervisão e resultar em medidas como o corte de vagas em 26 cursos de direito, determinado na última quinta-feira (17).

Para Haddad o sistema de supervisão será ainda mais eficaz se houver maior capacidade técnica dos avaliadores. ?Deve contar a experiência em avaliação para a escolha do pessoal envolvido no processo?, disse o ministro.

Outra sugestão de Haddad é que as instituições de ensino façam uma auto-avaliação que será oferecida pelo ministério. Ele levantou ainda a possibilidade de que o processo de supervisão leve em conta observações particulares dos avaliadores. ?A avaliação não pode ser muito rígida?, afirmou.

O presidente do Conaes, Sérgio Roberto Kieling Franco, disse que a inclusão das opiniões dos avaliadores precisa estar ?bem amarrada? para que o sistema não se afaste da objetividade. ?O sistema deverá ser objetivo, mas não pode ser tratado pelo avaliador como checklist, tipo tem, não tem e acabou. Já que o avaliador é uma pessoa com capacidade acadêmica capaz de contribuir com pareceres qualitativos sobre a instituição?, explicou.

Para Sérgio Roberto, o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e as supervisões feitas nas próprias instituições fornecem um quadro completo de como está a educação superior no Brasil. Ele afirma que os estabelecimentos de ensino receberam bem a iniciativa do Ministério da Educação (MEC) de supervisionar os cursos.

?As instituições aceitaram de bom grado a visita dos supervisores e viram nela uma oportunidade de melhorar a qualidade de ensino?, afirmou. ?A tendência é que surjam atitudes positivas à medida que mais avaliações forem feitas.?

Segundo o presidente do Conaes, a redução de vagas nos cursos de direito ocorreu de comum acordo com as instituições. A supervisão dos cursos de pedagogia, já programadas pelo MEC, deverá ser feita no final de fevereiro.