Há mais de 40 dias, o Governo do Paraná lançou a operação ?Foz Segura?, em Foz do Iguaçu, colocando cerca de mil policiais nas ruas da cidade. Desde então, veículos recuperados e prisões de pessoas foragidas tornaram-se rotina. Por conta disso, comerciantes, moradores e representantes do setor turístico local aprovaram a operação e dizem estar mais seguro trabalhar e andar pelas ruas da cidade.

Os policiais promovem, diariamente, barreiras e blitze nas principais ruas da cidade, além de batidas em bares e boates para prender foragidos da justiça, criminosos e apreender veículos roubados. Eles também cumprem mandados de busca e apreensão e prisão, expedidos de acordo com investigações da Polícia Civil. Foram detidas até agora mais de 500 pessoas, cerca de 40 veículos furtados ou roubados foram recuperados, mais de 60 armas foram apreendidas e 126 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

No comércio, a tranqüilidade para as vendas melhorou e os lojistas estão mais seguros para abrir as portas. Segundo o presidente do Sindilojas (Sindicato Patronal do Comércio de Foz do Iguaçu), Omar Tosi, a sensação de segurança trouxe para a cidade uma nova perspectiva nas vendas. ?A operação é muito bem vinda na cidade e estamos contentes com os resultados. Ficamos mais tranqüilos em poder trabalhar com a presença de vários policiais. Apesar de não termos muitos problemas com assaltos, eram freqüentes os pequenos furtos nas lojas e isto tem diminuído?, afirmou.

Segundo ele, os comerciantes esperam que a operação fique por mais tempo na cidade. ?Sabemos que estes policiais terão que ir embora, mas gostaríamos que a essência da operação persistisse para combater o crime?, explicou.

Turismo

Para o setor de turismo, o aumento da segurança atrai mais turistas para a região. Segundo o presidente da ABIH-PR Regional Oeste (Associação Brasileira de Indústrias e Hotéis), Camilo Rorato, a ação da polícia é fundamental para auxiliar o crescimento do turismo. ?Nossa cidade recebe turistas do mundo inteiro que precisam estar seguros para que outros venham posteriormente. O visitante tem que ter segurança para poder ir ao centro da cidade, por exemplo, para fazer compras?, disse.

Segundo ele, a imagem de insegurança compromete o turismo em todo o país. ?Se um turista estrangeiro é assaltado aqui em Foz, ele vai dizer a todos que o Brasil é perigoso. Então temos que cumprir nossa parte aqui no Paraná?, contou. Rorato também acha que deve haver continuidade dos trabalhos policiais para coibir o crime na cidade. ?Precisamos de um corredor turístico com segurança efetiva, além do permanente policiamento nos pontos de visitação. Esperamos que ações como esta continuem, para assegurarmos mais este diferencial de segurança para nossa cidade?, ponderou.

Para a presidente do Iguassu Convention & Visitors Bureau (fundação empenhada em captar eventos e fomentar o turismo em Foz), Terezinha Parodi, a operação trouxe alívio ao setor turístico. ?Vemos com muito otimismo as medidas tomadas pelo atual Governo para coibir a criminalidade em nossa cidade. Posso dizer que esta operação veio em boa hora para ajudar o setor turístico. Desta forma, os visitantes vêm em maior número e sentem-se seguros durante sua estadia?, afirmou. Para ela, esta garantia de segurança vai atrair mais turistas. ?Com certeza haverá um aumento gradativo no número de visitantes, resultado do aumento na segurança propiciado pela operação ?Foz Segura??, concluiu.

Moradores

Maria Dolores Alencar, presidente da Associação dos Moradores do Bairro Profilurb I, que fica na periferia da cidade, acredita que a ação intensa dos policiais tem garantido mais segurança aos moradores. De acordo com ela, a ação da polícia foi necessária para coibir alguns problemas da região. ?O pior problema nosso eram os homicídios, mas por enquanto a situação está calma no bairro e as pessoas estão se sentindo mais à vontade de sair nas ruas?, contou.

O presidente da Associação de Moradores do Bairro Jardim América, Hilário Carbonera, disse que a segurança da região melhorou bastante após a chegada dos policiais. Segundo ele, o bairro é bastante violento porque fica entre duas perigosas favelas da região, que como são próximas ao Rio Paraná, tornam-se refúgio de traficantes e contrabandistas.

Carbonera contou que existiam muitos problemas de segurança, como assassinatos, roubos e assaltos na região, mas de um mês para cá, estas ocorrências tem diminuído bastante. ?Muitos daqueles que praticavam assaltos ou traficavam aqui no bairro foram presos nesta operação e por causa disto estamos tendo um pouco mais de paz no bairro?, disse.

O morador contou que é dono de um mercado que já foi assaltado e com a operação, a situação acalmou bastante. Lembrou também que há algum tempo atrás ocorriam diversos assaltos a alunos de uma escola pública do bairro, mas isto não tem ocorrido mais. ?Os ladrões roubavam tênis e até roupas dos alunos na saída das aulas e não temos recebido mais notícias deste tipo de delito?, relembrou Carbonara.