O escritor e ex-deputado estadual Fernando de Morais (PMDB) renunciou hoje a sua candidatura ao PMDB pelo governo do Estado de São Paulo. Morais, que foi ex-secretário da Educação do Estado, disse, disse que tomou a decisão porque ?não concordaria em participar de uma farsa?. Em nota à imprensa que divulgou durante entrevista coletiva, Morais afirma que, há uma semana, foi ?surpreendido? por um comunicado da produtora de TV encarregada da propaganda eleitoral do PMDB que informava que o tempo que deveria ser destinado a ele, por lei, no horário eleitoral gratuito, teria que ser cedido ao candidato ao Senado, Orestes Quércia. ?Falei com Quércia para esclarecer essa questão. Ele insistiu que essa era uma decisão do partido?, afirmou Morais.

A questão se arrastou ao longo da semana passada, segundo o ex-candidato. ?Na tarde de ontem, domingo, fui procurado por uma comissão formada pelo ex-deputado Airton Sandoval, pelo deputado Marcelo Barbieri e pela deputada e delegada Rose. Sem rodeios, os três disseram estar ali por orientação do presidente do partido, Orestes Quércia, para reiterar, com tintas ainda mais fortes, o que o presidente do diretório já me dissera?, comentou ele. ?A prioridade do partido era a eleição de Quércia e essa decisão refletiria em toda a campanha.?

Morais afirmou que não poderia ?compactuar? com essa idéia. ?Por mais fortes que sejam os laços que me unem ao partido e a Quércia, se aceitasse uma condição dessa, estaria negando toda a minha vida de militância política?, afirmou. ?Qualquer pessoa que me conheça por cinco minutos sabe que jamais participaria de uma farsa, passei anos da minha vida lutando pelo sagrado direito do voto e não poderei ir a ceder participar dessa encalhação.?