Morreu na madrugada desta terça-feira a jornalista Roseli Abrão, aos 74 anos, vítima das complicações causadas por um tumor no cérebro. Formada pela Universidade Federal do Paraná, ela comandou por mais de uma década uma das colunas políticas mais lidas do estado no jornal O Estado do Paraná. Nascida em Guarapuava, na região Central, ela deixa três filhos, três netos e o marido Antônio da Cunha Santos.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) divulgou uma nota nesta manhã lamentando o ocorrido e lembrando a importância da profissional para a categoria.

A jornalista começou sua carreira enquanto ainda era estudante, na sucursal do jornal Folha de Londrina, em Curitiba. “Roseli também trabalhou no jornal O Estado do Paraná – em que se dedicou ao Jornalismo por 13 anos, exercendo as funções de repórter, chefe de reportagem e editora”, lembra a nota do Sindijor. Roseli trabalhou ainda no Correio de Notícias, no “Diário Popular”, e também assinou colunas políticas no jornal Hora H e no site Hora H News.

O sindicato lembra ainda que Roseli atuou ainda em campanhas eleitorais, na Agência Estadual de Notícias (durante os governos Alvaro Dias e Roberto Requião), assessorou partidos políticos e, por seis anos, editou o jornal da Assembleia Legislativa do Paraná. A jornalista atualmente mantinha o site RoseliAbrão.com e assessorava um deputado estadual.

O velório e o sepultamento serão realizados no Cemitério Parque Iguaçu, nesta quarta-feira (24).