Foto por: John Macdougall

O alemão Thomas Müller, com apenas 20 anos de idade, foi eleito o artilheiro da Copa do Mundo da África do Sul, com cinco gols.

O uruguaio Diego Forlán, o holandês Wesley Sneijder e o espanhol David Villa também marcaram cinco gols, mas Müller foi escolhido por dar três passes decisivos para seus companheiros de equipe.

Desta maneira, sucede como artilheiro a seu compatriota Miroslav Klose, que marcou seis gols em 2006.

Müller coroou de maneira brilhante sua primeira temporada como profissional, já que em 2009 jogava na terceira divisão da Bundesliga, para se tornar neste ano titular indiscutível no Bayern de Munique, onde venceu o Campeonato e a Copa da Alemanha e perdeu a final da Liga dos Campeões para a Inter de Milão.

Com rapidez e criatividade, o jogador encarna o novo espírito da seleção alemã.

“O Bombardeiro” (“Der Bomber”) Gerd Müller é o homem que, na Bundesliga, é dono do recorde de 365 gols em 472 partidas, o que mostra seu poder devastador frente ao gol adversário. Sete vezes artilheiro da Primeira Divisão alemã, Müller teve a difícil tarefa de substituir no coração dos alemães outro prodigioso artilheiro da seleção: Uwe Seeler. O pequeno, mas espaçoso Müller, soube retribuir o carinho dos torcedores.

Em 1963, foi chamado de “gordo e torpe” por um técnico do Bayern de Munique. Mas ninguém levou o treinador a sério, e Müller pôde se entregar à sua atividade favorita: enlouquecer as zagas adversárias.

Na Copa do México, em 1970, foi artilheiro, com 10 gols em 6 partidas. Dois anos depois, contribuiu com quatro gols para a conquista da primeira Copa da Europa de Nações (antigo nome da Eurocopa) pela seleção alemã.

“Der Bomber” consagrou-se na Copa de 1974, quando marcou o segundo gol (2-1) na vitória sobre a Holanda de Cruyff, Rep e Neeskens. Com 14 gols em seus dois Mundiais, Müller foi o maior artilheiro de todas as Copas até ser superado por Ronaldo, em 2006.

Exílio americano

Após a glória, vieram dias menos felizes para Müller. Aos 29 anos e em pleno apogeu, brigou com os dirigentes da Federação Alemã. O homem que, atuando pela seleção de seu país, conseguiu uma média superior a um gol por partida, também teve que passar por uma cirurgia de hérnia de disco.

Mudou-se para os Estados Unidos em 1979, onde jogou por três anos no Strickers de Fort Lauderdale, ao lado do peruano Teófilo Cubillas e do irlandês George Best.

De volta à Baviera, Müller, capaz de marcar um gol com qualquer parte do corpo e em qualquer posição, uniu-se à comissão técnica do Bayern de Munique, onde permanece até hoje.

– FICHA TÉCNICA:

Müller, Gerd – RFA – 03/11/1945 – Nordlingen (Alemanha)

1,76 m – 80 kg

Posição – Atacante

Clubes – Nordlingen (1963-1964), Bayern de Munique (1964-1979), Strickers de Fort Lauderdale (EUA, 1979-1981), Smith Brothers Lounge (EUA/1981-82)

Partidas pela seleção – 62

Estreia pela seleção – 12/10/1966, Turquia-RFA (2-0)

Última partida pela seleção – 07/07/1974, RFA-Holanda (2-1)

Gols pela seleção – 68 (recorde na Alemanha)

Primeiro gol pela seleção – 08/04/1967, RFA-Albânia (6-0)

Último gol pela seleção – 07/07/1974, RFA-Holanda (2-1)

Copa do Mundo – 2 participações (1970 e 1974), 13 jogos, 14 gols – Campeão (1974), terceiro lugar (1970) Artilheiro – (1970/10 gols)

Maior artilheiro da História das Copas do Mundo (14 gols) até 2006

Eurocopa – Campeão (1972) – Artilheiro (1972/4 gols)

Copa da Europa de Clubes Campeões (atual Liga dos Campeões) – Tricampeão (1974,1975, 1976)

Recopa da Europa – Campeão (1967)

Copa Intercontinental de Clubes – Campeão (1976)

Campeonato Alemão – Tetracampeão (1969, 1972, 1973, 1974)

Artilheiro da Bundesliga – (1967/28 gols, 1969/30 gols, 1970/38 gols, 1972/40 gols, 1973/36 gols, 1974/30 gols, 1978/24 gols)

Copa da Alemanha – Tetracampeão (1966, 1967, 1969, 1971)

Prêmios – Chuteira de Ouro europeia (1970/38 gols e 1972/40 gols), Bola de Ouro europeia (1970)