Aliados americanos no mundo árabe temem que um ataque dos Estados Unidos contra o Iraque jogue a já instável região no caos, e eles e outros estão exortando Bagdá a tomar medidas para evitar uma guerra mesmo com a intensificação da retórica bélica de Washington.

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, que enviou suas tropas contra o Iraque uma década atrás para participar de uma coalizão liderada pelos EUA na Guerra do Golfo, disse hoje que já advertiu os Estados Unidos contra um ataque ao Iraque ?por causa de um ou dois indivíduos? num momento em que a violência palestino-israelense está convulsionando as ruas árabes.

Muitos árabes acusam os Estados Unidos de se alinharem injustamente com Israel. Eles certamente veriam um ataque contra o Iraque como mais uma evidência do preconceito americano contra os árabes.

Se os EUA atingirem o Iraque, nenhum governante árabe será ?capaz de conter os sentimentos populares. Haveria repercussões e, tememos, um estado de desordem e caos?, anteviu Mubarak durante um debate com universitários egípcios na cidade portuária mediterrânea de Alexandria.

A Arábia Saudita, que durante a Guerra do Golfo recebeu tropas dos EUA para protegê-la contra o Iraque, também reiterou hoje sua oposição a uma ação militar contra Bagdá. O assessor de política externa saudita Adel al-Jubeir afirmou à CNN que a Arábia Saudita defende que deve haver negociações diplomáticas com o presidente iraquiano, Saddam Hussein.

?Não acreditamos que foi construído um caso em termos de uma guerra contra o Iraque, e achamos que pessoas não refletiram sobre todas as conseqüências?, considerou al-Jubeir.

Entretanto, os árabes também têm razão para desconfiarem de Saddam. Ele invadiu um outro Estado árabe, Kuwait, em 1990, provocando a Guerra do Golfo de 1991.

Hoje na sede da Liga Árabe no Cairo, disseram diplomatas, delegados permanentes entraram em choque sobre o pedido iraquiano para que fosse incluída uma mensagem árabe de apoio ao Iraque na agenda do encontro de ministros regionais do Exterior marcado para a próxima semana.