Um barco naufragou hoje com 60 pessoas a bordo, na costa da Somália. Cinco sobreviveram, e 23 já foram encontradas mortas, sendo 14 mulheres e um menino. Outras 32 estão desaparecidas, conforme a Acnur (a agência da ONU para refugiados).

Entre as pessoas encontradas mortas estão cinco cidadãos etíopes. Os cinco sobreviventes, todos homens, afirmaram que o barco estava lotado e começou a apresentar falhas logo na saída do porto de Bosasso, no norte da Somália. Minutos depois, a embarcação afundou, e todos os ocupantes foram jogados ao mar.

Em comunicado, a ONU (Organização das Nações Unidas) afirmou que o acidente foi o pior ocorrido no Golfo do Áden desde fevereiro do ano passado, quando 57 imigrantes somalis morreram quando a embarcação em que seguiam rumo ao Iêmen naufragou.

Imigrantes africanos utilizam embarcações em situação precária na tentativa de chegar ao Iêmen, visto como acesso a regiões mais abastadas do Oriente Médio e do Ocidente. A Acnur estima que 100 mil pessoas tenham cruzado o Mar Vermelho e o Golfo do Áden, somente neste ano, a despeito dos riscos.