O governo japonês aprovou na terça-feira, 18, um plano de defesa que inclui dois porta-aviões, algo inédito desde o fim da 2ª Guerra. Tóquio justifica a medida pela crescente presença militar da China na região.

Dois navios inicialmente previstos para manobras de helicópteros serão modificados para permitir também as decolagens curtas e pousos verticais de caças. Mas eles não serão porta-aviões com todas as capacidades desse tipo de navio de guerra, já que as aeronaves não permanecerão estacionadas nos navios, segundo o Ministério da Defesa.

O governo do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, prevê ainda a compra de 147 caças, entre eles 105 jatos F-35A (Stealth).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.